segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

O que é a felicidade?



            As vezes conhecemos alguém, na maioria das vezes quando não estamos procurando e nem mesmo esperando por isso, e essa pessoa nos faz novamente acreditar que não nascemos pra viver sozinhos, que apesar de as vezes nos fecharmos, numa espécie de autodefesa, para evitar sofrer novamente, essa pessoa sem fazer absolutamente nada, acaba nos cativando, chamando a atenção.

            É besteira? Não sei. Talvez seja, talvez não. Eu, particularmente, acredito que não, eu acredito sim, em encontrar alguém para compartilharmos a felicidade. Compartilhar a felicidade?

            Sim, compartilhar a felicidade, porque a partir do momento em que entendemos que uma pessoa com a qual venhamos a nos relacionar, irá compartilhar a felicidade conosco, e não ter a responsabilidade de nos fazer felizes, eu sinceramente acredito que esse relacionamento irá verdadeiramente dar certo.

            Não sou e nem tenho a menor pretensão de dizer que sou expert em felicidade, menos ainda em relacionamentos (mesmo porquê os meus foram uma merda), o que eu quero compartilhar com essa minha pequena impressão, é a opinião que fui formando a partir de tudo o que eu fui vendo e vivendo ao longo dos anos.

            Eu entendo que, somos pessoas abençoadas por Deus, somos saudáveis, temos pessoas que nos amam, sejam elas amigos, famíliares, parentes, enfim, seja quem for, temos essas pessoas, que fazem toda a diferença na nossa vida, temos nosso trabalho, estudo, enfim, uma série de peculiaridades que, por si só, podemos dizer que temos muitos motivos para ser muito felizes.

Porém, ser feliz dá trabalho, qualquer relacionamento dá trabalho. Nos dias de hoje qualquer relacionamento pode sofrer grandes ataques, principalmente os vindos das redes sociais, e por vezes é sim necessário um comprometimento mútuo para que fatores externos não façam uma grande avalanche no que foi construído com tanto esforço.
Qualquer relacionamento tem que vir, primeiramente, dos valores de cada pessoa, não há como manter um relacionamento sem respeito e sem empenho. A maioria das pessoas hoje em dia está mais preocupada com as “curtidas do instagram” do que com aquela comidinha que a esposa preparou com tanto carinho. É preciso sim valorizar, diferenciar do restante, separar num cantinho especial só da pessoa.

Familiares, amigos, colegas de serviço ou de hobbies são sim importantes, mas não podem, e não devem, ser mais importantes que a pessoa que você escolheu para estar com você uma vida toda.

Creio também que a felicidade esteja veiculada ao respeito pela vida em si, pela conservação de sua saúde e do próximo, bem como de valores éticos e morais, visto que a anarquia imposta pelas diversas mídias colocam em cheque até mesmo o motivo de nossa existência. Você está aqui para que? Para fazer o que todo mundo faz? Você se equipara a todo mundo?

A individualidade não deve ser exercida apenas deixando a esposa em casa com os filhos para sair com os amigos, ou no caso das mulheres, em deixar os maridos e companheiros sozinhos para sair com as amigas.

Todos temos uma individualidade, é verdade, e que deve sim ser respeitada, mas, isso não pode se tornar uma constante, não pode se tornar habitual. Muitas pessoas reclamam dos relacionamentos por “entrarem na rotina”, mas, o “sair da rotina” não quer dizer que tem que se deixar o companheiro ou companheira em casa, todo santo dia, ou, a cada oportunidade que surgir, para “curtir a privacidade”, “a liberdade com os amigos e amigas”. O risco de se colocar um relacionamento de fato engrandecedor em risco com atitudes assim é tamanho, e infelizmente, a maioria só percebe isso quando é tarde demais.

É certo que a individualidade deve consistir em interiorizar o que somos, assumirmos responsabilidades só nossas, como o auxílio a um parente, uma oração feita para sua família, resolver um problema que, eventualmente cai de paraquedas em nossas vidas. Enfim, exercer a individualidade de forma consciente e valente também é ser feliz e gera real satisfação para a alma.

Ser feliz também é isso, é termos a certeza que não estamos aqui para meros passeios e sim com missões bem definidas. Ser feliz é saber que tudo que se sofre não é em vão.

            Afinal, pra você, o que é a felicidade?

Cezar Jordão & Eloise Botega

Nenhum comentário:

Postar um comentário